Publicado por: ferdesigner | 02/04/2014

Tecnologias de despoluição conseguem devolver oxigênio ao Rio Pinheiros

Estudo conduzido pela Secretaria de Meio Ambiente avaliou eficácia de técnicas que seriam usadas em complemento ao programa de saneamento. Em uma delas, até peixes conseguiram sobreviver

Giovana Girardi

Veja também:
link 28% do esgoto industrial é jogado ilegalmente em rios de SP

Um dos canais que replicou as condições do Rio Pinheiros. Crédito: Divulgação

SÃO PAULO – Tecnologias de despoluição aplicadas paralelamente ao programa que busca a universalização do tratamento de esgoto no Estado podem contribuir para devolver o oxigênio ao Rio Pinheiros. Essa é a conclusão de um estudo conduzido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente obtido pelo Estado.

O trabalho partiu de uma estratégia inédita de avaliar a eficácia das tecnologias candidatas replicando as condições do próprio rio. Assim foram criados seis canais com a água do próprio Pinheiros e o mesmo ritmo de vazão. Em cada um foi aplicada uma das técnicas ao longo de 30 dias. Em um outro canal era mantida a água sem nenhum tratamento, para comparação.

As coletas mostraram que em geral as seis tecnologias foram capazes de aumentar a presença de oxigênio ao mínimo de 2 miligramas de O2 por litro. Na situação atual o rio tem zero de oxigênio. De acordo com o secretário Bruno Covas, essa elevação, juntamente com outras melhorias observadas, colocaria o rio na categoria de “classe 4” – o que seria suficiente para o rio poder desaguar nos mananciais da Billings ou da Guarapiranga sem tratamento adicional.

“É claro que o maior investimento na despoluição do rio é no saneamento. E seguimos trabalhando na meta de universalizar a coleta e o tratamento até 2019. Mas o que vimos é que essas tecnologias podem ajudar”, diz Covas.

“O Pinheiros deixaria a condição de rio morto, hoje ele é praticamente um esgoto, para um rio poluído, mas com oxigênio, sem odor e com aspecto melhor”, complementa o secretário adjunto Rubens Rizek, que coordenou os trabalhos.

Indicadores. Outros indicadores avaliados foram a presença de sulfetos, substâncias responsáveis pelo mau cheiro; de nitrogênio e fósforo, que podem provocar a proliferação de algas; de surfactantes, responsáveis pela espuma; de sólidos suspensos e a geração de lodo. Na maioria dos casos, houve melhoria dos indicadores. Em um dos canais, após a melhora dessas condições, a empresa que fazia o teste chegou a criar peixes no local, a fim de mostrar a saúde da água.

A infraestrutura dos canais, construídos ao lado Usina Elevatória de Traição, a captação da água do rio, os estudos sobre a vazão e a fiscalização dos trabalhos ficaram a cargo de uma equipe multidisciplinar. Sob coordenação da secretaria, reuniu técnicos da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), da Sabesp, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), da Faculdade de Saúde Pública da USP e da Associação Águas Claras do Rio Pinheiros.

Os custos foram pagos pelas seis empresas participantes: Bauer, Beraca, Superbac, DT Engenharia, Engeform e Evonik. Metade delas usou tecnologias biológicas (como uso de fungos, bactérias ou enzimas) e outra metade, físico-químicas (eletrocoagulação, flotação e oxidação).

Os resultados foram entregues nesta quarta-feira, 12, pela secretaria, para o governador Geraldo Alckmin e um grupo de trabalho responsável pelo Plano de Despoluição dos Rios da Região Metropolitana de São Paulo. A pesquisa só investigou a eficácia das tecnologias. É esse grupo que vai avaliar agora sua viabilidade econômica. Os custos de cada uma não foram considerados nesse primeiro momento.

De acordo com Covas, o projeto só vale para o Pinheiros. O Rio Tietê não poderia se beneficiar dessas tecnologias por conta da diferença da poluição dos dois principais rios que cortam a capital paulista. Enquanto no Pinheiros prevalece a chamada poluição difusa (que vem dos dejetos levados ao leito pela chuva), no Tietê, o maior impacto é do esgoto despejado irregularmente. Neste caso, a despoluição depende mais fortemente da melhora do tratamento de esgoto.

Malu Ribeiro, especialista em recursos hídricos da SOS Mata Atlântica, lembrou que não existe mágica para solucionar a poluição além de tratar o esgoto e evitar o lançamento de efluentes na fonte. “Mas quando a situação é crítica e incomoda muito a população, como é a questão do odor do rio, e considerando que o tratamento de esgoto é uma coisa lenta, é positivo ter ações complementares que melhorem a oxigenação. Mas desde que não se distanciem da estratégia macro, que é o tratamento do esgoto e o combate à poluição na origem”, alerta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: