Publicado por: ferdesigner | 02/04/2014

Lei do Clima, não cumprida por Kassab, é ignorada por Haddad

São Paulo está longe de atingir a meta de reduzir em 30% suas emissões de gases poluentes

Fim da inspeção veicular para toda a frota veicular pode dificultar ainda mais a redução da poluição

EDUARDO GERAQUEARETHA YARAKDE SÃO PAULO

A política municipal de Mudanças Climáticas vem sendo ignorada pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). A lei foi criada em 2009 por seu antecessor, Gilberto Kassab (PSD), que também não cumpriu todas as metas previstas no documento.

Considerada moderna na época –até por ONGs normalmente críticas, como Greenpeace–, a legislação tinha como principal meta diminuir a poluição que vai para os céus paulistanos. E, depois, termina no pulmão de todos.

A redução deveria ser, em 2012 (último ano da gestão Kassab), de 30% nas emissões de gases que contribuem para o efeito estufa, em relação às de 2005 –ano do último inventário com dados sobre a poluição do ar.

Mas a administração Kassab não chegou nem perto de bater a própria meta. As emissões subiram 9%.

A gestão Haddad, nos 14 meses que administra a cidade, também contribuiu para piorar mais o quadro.

Um dos grandes retrocessos, segundo os técnicos, é o fim da inspeção veicular ambiental para toda a frota que circula na cidade.

A inspeção, na prática, está suspensa e sem prazo definido para voltar. Além disso, mesmo quando isso ocorrer, ela será parcial.

Outras metas listadas pela Lei do Clima nas áreas de transporte e lixo (veja quadro) não foram atingidas nem por Kassab nem por Haddad.

AÇÕES REDUZIDAS

Chama atenção dos especialistas, a falta de preocupação da atual gestão com o assunto. Haddad deveria ter anunciado uma nova meta de redução assim que assumiu a prefeitura, como determina a lei. O que não ocorreu.

“Hoje, a política de São Paulo me parece estar com ações reduzidas”, afirma o pesquisador Rubens Leyla, estudioso do assunto.

“Constato isso ao ver que a partir de dezembro de 2012, quando encerramos a pesquisa [ele fez uma pós-graduação que analisou a montagem da lei], não existem mais atas de reuniões do grupo Sustentabilidade e Saúde disponíveis para consulta pública no site da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente”, afirma.

O grande avanço da política do Clima, segundo Leyla, é no campo da saúde.

OPORTUNIDADES

“Com a aplicação da lei, a cidade passou a ter chance de fazer a prevenção e a promoção da saúde”, diz.

Segundo ele, na prática, os planos de ações acabaram resultando também em projetos de saúde diretamente relacionados com o clima.

Entre esses projetos estão a ampliação no controle de vetores para prevenir zoonoses, monitoramento de fatores de risco à saúde decorrentes de mudanças climáticas e ampliação da análise epidemiológica de dados de saúde e de ambiente.

“Essa lei, por se adaptar às características da complexidade de São Paulo, é uma oportunidade positiva para a cidade aumentar o diálogo e os trabalhos conjuntos sobre o clima e a saúde.”

Leyla lamenta o fato de a lei não estar sendo seguida pela atual gestão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: