Publicado por: ferdesigner | 06/11/2013

Desastres climáticos custaram R$ 50 bilhões ao Rio em 10 anos

Cena frequente. Vista área do bairro da Lagoa: tempestade levou água a pistas no entorno do bairro em 2010 Foto: Genilson Araujo/6-4-2010
Cena frequente. Vista área do bairro da Lagoa: tempestade levou água a pistas no entorno do bairro em 2010 Genilson Araujo/6-4-2010

RIO – Enchentes, inundações e deslizamentos de encostas custaram cerca de R$ 50 bilhões ao estado do Rio na última década. O prejuízo causado por estes desastres climáticos foi estimado pelo Instituto de Economia da UFRJ.

Coordenador do estudo, o economista Carlos Eduardo Young considerou a ocorrência de eventos extremos entre 2001 e 2010. Para isso, usou duas fontes. O Atlas Brasileiro de Desastres Naturais (ABDN) informou o número de pessoas afetadas, desabrigadas e desalojadas neste período.

O Banco Mundial, por sua vez, fez um cálculo inédito das perdas financeiras das inundações na Região Serrana em 2011. Os danos com infraestrutura, meio ambiente e setores sociais somaram R$ 4,7 bilhões.

— O desastre na Serra ocorreu em um período fora daquele que analisamos, mas forneceu uma avaliação que ainda não tínhamos: o custo econômico médio de uma tragédia — explica.

O ABDN registrou 557 casos de fortes precipitações e inundações no Rio entre 1991 e 2010. Mais de 90% (520) foram na segunda década estudada (2001-2010).

Os 520 episódios afetaram 3,4 milhões de pessoas. Cerca de 69 mil ficaram desabrigadas e 324 mil foram desalojadas. É importante ressaltar que uma mesma pessoa pode ter sido afetada em mais de uma ocasião.

— Hoje contamos com uma cobertura de informações maior do que na década de 1990. Desta forma, detectamos mais facilmente os eventos extremos — assinala Young. — Além disso, a densidade populacional nas áreas de risco aumentou. Temos mais pessoas morando em regiões vulneráveis aos desastres naturais.

Outra explicação possível, segundo o economista, seria atribuir os eventos extremos às mudanças climáticas.

— Esta ligação ainda é incerta, mas provavelmente ela pode ser combinada às outras razões — pondera. — É lamentável observar que, embora as autoridades conheçam o impacto desses desastres, ainda não invistam o necessário para combatê-los. A ajuda emergencial à Região Serrana, por exemplo, custou mais de R$ 3 bilhões ao poder público.

Os desastres naturais provocam múltiplos danos à economia, entre o deslocamento de pessoas afetadas à paralisação de atividades produtivas. A prevenção aos desastres naturais, por sua vez, contribuiriam para o desenvolvimento regional.

— A contenção de encostas e o reflorestamento trariam uma onda de investimento ao estado — diz Young. — O Rio precisa ser redesenhado. Ainda há muitas comunidades em regiões vulneráveis às tempestades, como o Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, e a Rocinha.

Para o economista, o relevo peculiar do Rio, que alterna áreas de montanhas e baixadas, fará do estado um dos mais afetados pelas mudanças climáticas no Brasil. Além disso, ele está na convergência de duas regiões de diferentes características meteorológicas: o Sul e o Nordeste.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/ciencia/desastres-climaticos-custaram-50-bilhoes-ao-rio-em-10-anos-10598377#ixzz2jrKggJev
© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: