Publicado por: ferdesigner | 03/09/2013

Gado “orgânico” pode contribuir para pecuária sustentável na Amazônia

gado.jpg

O sudeste do Pará foi a área escolhida para a realização de projetos sustentáveis
Foto: Eduardo Amorim

A Marfrig, segunda maior empresa processadora de carne bovina do Brasil, a gigante transnacional do varejo Walmart, juntamente com a organização não governamental The Nature Conservancy, querem transformar algumas fazendas de São Félix do Xingu (PA), que tem o maior rebanho bovino do país – em modelos ambientais e econômicos de produção de gado que possam ser replicados no resto da Amazônia.

O fazendeiro Lacir Soares já aderiu a um modelo de produção de carne sem desmatar. A rotação de pasto e as melhorias na qualidade genética do gado e das pastagens ajudam Soares a aumentar a produtividade em sua fazenda situada na região do “Boqueirão”, no município amazônico. O produtor sabe que sem garantias ambientais, a indústria não vai comprar sua carne.

“O equilíbrio entre a pecuária e a floresta não é só uma obrigação legal, também garante um aumento da produtividade”, afirmou o fazendeiro à AFP.

A luta contra a criação de gado que aumenta o desmatamento ilegal da Amazônia se aprofundou há quatro anos, quando o Ministério Público Federal do Pará denunciou 13 grandes indústrias de carne e advertiu 72 supermercados e fábricas de cosméticos e sapatos (em parte multinacionais) de que enfrentariam a Justiça se comprassem produtos de áreas desmatadas.

O sudeste do Pará foi a área escolhida para o processo de conservação de florestas, solos e rios enquanto a oferta de carnes com garantia de origem para o consumidor brasileiro é ampliado.

São Félix do Xingu é o município com o maior rebanho bovino do Brasil e concentra 1% do rebanho nacional, segundo o IBGE

As instituições pretendem fornecer recursos técnicos para regularização ambiental e ampliação da produção responsável junto aos pecuaristas das regiões de São Félix do Xingu e Tucumã. A região concentra florestas, distribuídas em Unidades de Conservação, Terras Indígenas e propriedades privadas, além de rios fundamentais para toda a Amazônia, como o Xingu e seus afluentes.

Ao mesmo tempo, é uma das fronteiras agropecuárias mais dinâmicas do Brasil. São Félix do Xingu, por exemplo, é o município com o maior rebanho bovino do Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e concentra 1% do rebanho nacional.

Cerco a pecuária desmatadora

“O cerco à pecuária desmatadora se traduziu em uma redução drástica do desmatamento”, em mais de 80% nos últimos oito anos no país e no estado do Pará”, destacou o promotor Daniel Azeredo Avelino. “Os grandes frigoríficos aderiram ao compromisso da “carne legal” e embora persista “uma parcela de pequenos” que eludem a norma, “a maioria dos produtores incorporou a ideia de que se continuam desmatando, não terão acesso ao mercado”, ressaltou o promotor à AFP.

Os novos projetos, que marcam um avanço na construção de uma cadeia pecuária mais sustentável, terão monitoramento da produção, realizado pelas empresas, e rastreamento da carne até o consumidor final.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: