Publicado por: ferdesigner | 28/06/2013

O direito de quem? Crônica de Paulo Sanda

São Paulo, 20/06/2013 – Protesto contra aumento das passagens do transporte público, gastos na Copa do Mundo e a corrupção tomaram as ruas da capital paulista. Foto de Paulo Sanda.

São Paulo, 20/06/2013 – Protesto contra aumento das passagens do transporte público, gastos na Copa do Mundo e a corrupção tomaram as ruas da capital paulista. Foto de Paulo Sanda.

Em alguns lugares, saques e violência, em outros porrada do poder contra o povo.

Bom esta história não é nova, novidade é a crise entre as ditas entidades tradicionalmente representativas.

Os manifestantes, gritam palavras de ordem “Partido não!”, “Oportunistas”. O mesmo acontecia para os sindicalistas.

Então lideranças tradicionais de redutos de mobilização política e religiosa(estou falando da religiosa engajada, coisa séria entende), chegam a chamar o movimento de fascista.

O que dizer?

Estava quase caindo, eu, minha esposa e dois amigos, empoleirados em uma “ilha” na Paulista, a multidão cercava de todos os lados e apertava, quem tentava subir por vezes acaba derrubando quem estava em cima. Não havia mais espaço para um pé.

A geral estava revoltada com a chegada das bandeiras de partidos, se recusavam a deixar passar. Sentaram e formaram a “barricada humana” contra a passagem dos militantes partidários.

Por outro lado, os militantes políticos, tentavam forçar a passagem de forma tão violenta quanto, gritando; “fascistas” e “burgueses”. O bicho parecia que ia pegar, então escutamos estouros, parecia que o choque havia decidido intervir. Início de correria, eu e minha esposa fomos procurar um lugar para nos abrigar. O clima ficou tenso por alguns minutos, mas as bandeiras, finalmente foram retiradas e o samba começou, pelo menos em São Paulo, ou onde estávamos.

Mas fica a pergunta, quem está certo?

Por que isto acontece?

Por que os partidos, mesmo os aparentemente mais radicais de esquerda, são rechaçados, junto com os sindicados.

Será que o movimento é de burgueses e fascistas?

Acredito que novamente estamos partindo para simplificação das coisas.

Se por um lado os manifestantes, são irredutíveis, em não aceitar os partidos e outras estâncias tradicionais de militância social e política. Por outro, temos a arrogância dos militantes partidários, e lideranças, em achar que o fato deles não serem aceitos, quer dizer que o movimento é fascista e burguês. Pois seriam eles os autênticos, os demais não.

Ah! Vamos parar com esta frescura toda! Principalmente as lideranças.

Quando alguém vai dar a mão a palmatória? E reconhecer o direito do outro!

De todos os lados o que podemos ver é a embriagues pelo poder.

Ao invés de simplesmente criticar, que tal participar? Analisar de forma crítica sim, mas participar.

O que se vê agora, é uma coisa muito mais complexa. A época das “estrelas” passou, as ideias e ideais passaram a ser bastardos, todos são pais e mães.

É por isto que estes movimentos estão sendo chamados de HORIZONTAIS!

Não tem mais aquela história dos “velhos” caciques. O velho chavão “eu estava lá!”.

Pois é EU ESTAVA LÁ, e dai? EU era mais um, tão importante quanto qualquer outro. Nem menos, nem mais.

Paulo Sanda é Teólogo, palestrante, idealista, associado da ONG RUAH, é um dos coordenadores doPortal Palavra Aberta.

EcoDebate

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: