Publicado por: ferdesigner | 15/01/2013

Oito sinais dos tempos e dos lugares

Gilvander Luís Moreira1

  1. No dia do Natal de 2012, em Porto Alegre, RS, a temperatura chegou a 43º C. Dia seguinte, no Rio de Janeiro, RJ, 43º C. Em Arinos, noroeste de Minas Gerais, o sol está estorricando. Se deixar milho pipoca no sol, dentro de poucos minutos, a pipoca estará pronta. Se deixar ovos sob o sol, serão assados. “Os peixes estão sendo assados nos poucos rios que ainda existem”, diz em tom irônico um pescador. Os camponeses estão dizendo: “A situação está feia. Quase final de ano e quase nada de chuva. As águas estão acabando. Depois que acabaram com o cerrado e agora com a plantação de eucalipto, esse vampiro das águas, os córregos estão quase todos secos. Aqui na região havia lagoas por todos os lados. Agora está tudo seco.” O povo está ficando mais debaixo das poucas árvores que ainda existem. Ficar dentro de casa é o mesmo que estar em uma sauna. Há pessoas que estão dormindo dentro de automóveis com motor funcionando e ar condicionado. Quem pode, compra ventilador. Quem é mais jovem corre para os poucos rios da região e passa o dia dentro d’água. Outro dia, por exemplo, almoçamos dentro do Rio Claro – afluente do Rio Urucuia, que é um dos 36 afluentes do rio São Francisco -, com as panelas de alimento colocadas encima das pedras. Só a Sidersa – Siderúrgica Santo Antônio -, Companhia de um dono de Siderúrgica de Itaúna, MG, que tinha o ex-governador Newton Cardoso como sócio, já plantou mais de 30 mil hectares de eucalipto, inclusive ao lado das nascentes do Rio Claro, citado acima.
  2. Os pescadores da beira do Rio São Francisco já estão prevendo que vão passar meses de escassez porque as chuvas foram pouquíssimas até o final de 2012 e, por isso, a barragem de Três Marias e as outras seis grandes barragens do Velho Chico estão com pouca água. Vai faltar água para gerar energia, mas antes os ribeirinhos sofrerão pela falta de peixe, pois “sem as cheias não acontecem desovas; e sem desova não se cria novos peixes”, diz Sr. Norberto, pescador há 70 anos no Velho Chico, na região de Três Marias. “Sr. Norberto, a Votorantim continua jogando metais pesados no Rio São Francisco aqui em Três Marias, poluindo o Rio?”, perguntei. “Com nossa luta, o Ministério Público exigiu que a Votorantim fizesse uma nova barragem para recepção de rejeitos minerários. O preocupante agora aqui é que estão planejando para construir nove barragens/hidrelétricas no Rio Abaeté. Isso não pode acontecer, pois se as águas forem represadas, não haverá mais piracema e os peixes serão dizimados, inclusive, aqui no Rio São Francisco.”
  3. 334 pessoas em situação de rua assassinadas – crucificadas – no Brasil em 2012! Em 10 anos serão acima de 3.340, caso as forças vivas da sociedade não lutem para transfigurar essa realidade dramática. Maior algoz: o Estado, através de policiais e guardas municipais. A presidenta Dilma assistiu ao vídeo sobre a violência contra a população de rua2. Não poderá alegar que não tem conhecimento dessa violência que clama aos céus: a violência contra as pessoas em situação de rua. Por que não mudar a política econômica e investir prioritariamente em reformas agrária e urbana, em educação e saúde públicas, em Minha Casa Minha Vida através de entidades e em Direitos Humanos? Será que teremos que arregimentar milhares de voluntários para vigiar as pessoas que estão em situação de rua enquanto elas tentam dormir sob as marquises, nas praças ou debaixo dos viadutos, para não serem despertados com jatos d’água ou com gás de pimenta?
  4. A Presidenta Dilma aumentou o salário mínimo para R$678,00, um aumento de R$56,00 (9%), a partir de janeiro de 2013, mas e a inflação de 2012? Vinte milhões de aposentados e 1,4 milhões de trabalhadores receberão esse mínimo, um montante de 12 bilhões de reais durante o ano de 2013. O DIEESE informa que o salário mínimo constitucional deveria ser de R$2.514,00, quatro vezes maior do que os 678,00. Logo, a Constituição Federal continua sendo rasgada. Por que não aumentar o salário mínimo para pelo menos R$1.500,00? Aí seria distribuição de renda, uma vez que a reforma agrária está encalhada e que se repassa para banqueiros mais de 200 bilhões de reais por ano como amortização da dívida pública que é como rabo de égua: quanto mais corta mais cresce.
  5. No Noroeste de Minas está sendo veiculada propaganda em horário nobre de TV tentando justificar o injustificável: o uso abusivo de agrotóxicos na produção de alimentos. Dia 12/12/2012, aconteceu Audiência Pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais – ALMG -, na Comissão de Direitos Humanos, sobre o uso indiscriminado de agrotóxicos no município de Unaí e região noroeste de Minas na produção de feijão, número alarmante de pessoas com câncer e a criminalização de quem denuncia essa grande injustiça. O novo prefeito de Unaí, Delvito Alves (PTB), em discurso na Audiência Pública, prometeu abrir a caixa preta dos agrotóxicos em Unaí e abrir discussão séria sobre algo tão grave que está causando milhares de casos de câncer. Oxalá isso aconteça! Devemos continuar a luta pela produção de alimentos saudáveis e de qualidade.
  6. Nos Estados Unidos, após a matança de 27 pessoas feita por um jovem em uma escola, aumentou absurdamente a quantidade de pessoas comprando mochilas a prova de bala para estudantes. Mochilas que podem ser usadas como escudo a prova de bala. Preço: de 300 a 500 dólares. Parece até que os empresários das mochilas a prova de bala mandaram fazer a matança para depois lucrarem muito. Esse é o círculo negativo do segurancismo: quanto mais repressão mais violência e mais lucro. Isso é idolatria do mercado.
  7. Na zona rural de Arinos, MG, visitamos a casa de dona Lia, 82 anos, esposa do senhor Edmundo. Mulher camponesa, de uma fé inquebrantável, trabalhadora, solidária e amiga de todos. Radiando alegria, dona Lia nos acolheu com muito afeto. “Espera aí que vou fazer um café para nós.” “Não precisa, dona Lia, pois já tomamos café na casa de outra família amiga”, alegamos. Após muita conversa e revelar alegria pela visita que estava recebendo, dona Lia entrou para a cozinha e de lá saiu com dois litros de polvilho e uma cuia cheia de farinha de mandioca. “Isso é um agrado para vocês. Ninguém me visita sem sair daqui com alguma lembrança”, disse dona Lia, pedindo desculpa por não ter algo melhor para partilhar. Detalhe: dona Lia plantou a mandioca, capinou, colheu, fez o polvilho e a farinha. Saímos marcados pela hospitalidade e solidariedade de dona Lia. Encontramos ali, em dona Lia, a viúva de Sarepta, a estrangeira empobrecida que partilhou com o profeta Elias o pouco que tinha para o seu sustento. Narrativa belíssima que está na Bíblia no 1º livro dos Reis, capítulo 17.
  8. O povo do nordeste brasileiro vem passando pelo pior período de estiagem de todos os tempos. É sofrimento sem fim para mais de 3,2 milhões de pessoas do sertão. Em alguns lugares já não existe água para mais nada. Em muitos municípios, há muito tempo, já foi decretado estado de calamidade e há muitos que tiram proveitos da situação. Pessoas que se dizem donas de reservatórios de água exploram os que estão com sede. A venda de água se tornou um comércio com muito abuso e exploração. Centenas de caminhões pipas transportam água vendida. Ontem, noite de lua cheia, escutei um camponês nordestino que dizia ao telefone: “Sentado em um tamborete, no terreiro de casa, fiquei esperando a lua nascer aqui no sertão da Bahia. Queria saber se ela viria coberta de nuvens porque isto é sinal de chuva”. Os governos que tem a obrigação de resolver este problema não fazem nada, melhor dizendo, fazem obras que fortalecem a indústria da seca, como a Transposição das águas do rio São Francisco. Assim, muitos ficam olhando para o céu e esperando os sinais. Conclamamos as pessoas de boa vontade que tenham olhar solidário e comprometido com a luta pela democratização da terra e da água no Nordeste. São 36 bilhões de metros cúbicos de água estocada em 70 mil açudes do nordeste, água que está privatizada nas mãos de coronéis e empresas.

Eis oito sinais dos tempos e dos lugares. Feliz quem percebe, lê e interpreta os sinais dos tempos e dos lugares que todos os dias se manifestam diante de nós.

Arinos, MG, Brasil, 30 de dezembro de 2012.

1 Frei e padre da Ordem dos carmelitas; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, Itália; doutorando em Educação pela FAE/UFMG; assessor da CPT, CEBI, SAB e Via Campesina; conselheiro do Conselho Estadual dos Direitos Humanos de Minas Gerais – CONEDH; e-mail: gilvander@igrejadocarmo.com.br – www.gilvander.org.br – www.twitter.com/gilvanderluis – Facebook: Gilvander Moreira

2http://www.youtube.com/watch?v=2zNq3yENcH0

 

EcoDebate

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: