Publicado por: ferdesigner | 21/12/2012

Serviços ecossistêmicos e Serviços ambientais: Conceitos e importância!

floresta

 

Serviços ecossistêmicos e Serviços ambientais: Conceitos e importância!

Sérgio Gomes Tôsto1

Lauro Charlet Pereira2

João Alfredo de C. Mangabeira3

Ecossistema significa o sistema onde se vive. É um termo de origem grega e representa o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e pelos fatores abióticos que atuam sobre essas comunidades. São divididos em terrestres e aquáticos.

Para discutir serviços ecossistêmicos, temos primeiramente que definir o que é uma função ecossistêmica. Estas podem ser definidas como constantes interações entre os elementos estruturais, como: transferência de energia, ciclagem de nutrientes, regulação de gás, regulação climática, ciclo de água entre outros.

De modo geral, uma função ecossistêmica gera um determinado serviço ecossistêmico quando os processos naturais subjacentes desencadeiam uma série de benefícios, direta ou indiretamente apropriáveis pelo ser humano, incorporando a noção de utilidade antropocêntrica. Em outras palavras, uma função passa a ser considerada um serviço ecossistêmico quando ela apresenta possibilidade/potencial de ser utilizada para fins humanos (Hueting et al., 1997).

Os processos (funções) e serviços ecossistêmicos nem sempre apresentam uma relação biunívoca, sendo que um único serviço pode ser o produto de duas ou mais funções, ou uma única função pode gerar mais que um serviço (Costanza et al., 1997).

As funções ecossistêmicas podem ser agrupadas em quatro categorias primárias: i)funções de regulação; ii) funções de habitat; iii) funções de produção; e iv) funções de informação (De Groot et al., 2002).

Como exemplos de serviços ecossistêmicos e suas funções, podemos destacar aqueles oferecidos pela mata ciliar, ou ripária, de acordo com Costanza et al., 1997 (Tabela 1).

Tabela 1 – Serviços ecossistêmicos oferecidos pela mata ciliar

Serviços Ecossistêmicos Funções Ecossistêmicas
Controle de distúrbios Atenuar flutuações ambientais
Controle da água Controle dos fluxos hidrológicos
Controle de erosão Retenção do solo em um ecossistema
Formação de solo Processo de formação de solo
Ciclagem de nutrientes Armazenamento, ciclagem interna, processamento e captação de nutrientes.
Controle biológico Controle da dinâmica trófica das populações
Produção de alimento Produção primária de alimentos
Matéria prima Produção primária extraída como matéria prima
Recursos genéticos Fonte de materiais biológicos e produtos
Recreação Oportunidade para atividades recreativas
Cultural Oportunidades para usos não comerciais
Controle do clima Regulação da temperatura e processos climáticos globais
Fornecimento de água Armazenamento e retenção de água

Quanto a serviços ambientais, são conceituados como aqueles prestados pelos diversos agentes econômicos para conservação e/ou recuperação dos recursos naturais. Dentro os diversos exemplos, podem ser destacados: recuperação e manutenção da mata ciliar; construção de terraços; e recuperação de áreas degradadas.

Em resumo, a principal diferença entre serviços ambientais e serviços ecossistêmicos é que, no primeiro caso, os benefícios gerados estão associados a ações de manejo do homem nos sistemas naturais ou agroecossistemas; já os serviços ecossistêmicos refletem apenas os benefícios diretos e indiretos providos pelo funcionamento dos ecossistemas, sem a interferência humana.

A importância do conhecimento desses serviços pode está relacionada a diversos aspectos. Dentre eles, sucintamente podemos destacar: a) a oferta de serviços ecossistêmicos pressupõe um equilíbrio ou conservação de recursos naturais; b) uma vez recuperado os recursos naturais como solo, água e vegetação/biodiversidade, implicitamente ocorrerá uma retomada do equilíbrio e a consequente oferta de serviços ecossistêmicos, na sua plenitude.

Referências bibliográficas

COSTANZA, R., D’ARGE, R., DE GROOT, R.S., FARBER, S., GRASSO, M., HANNON, B., LIMBURG, K., NAEEM, S., O’NEILL, R.V., PARUELO, J., RASKIN, R.G., SUTTON, P., VAN DEN BELT, M., 1997. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature387, 253-260.

HUETING, R., REIJNDERS, L., de BOER, B., LAMBOOY, J., JANSEN, H., 1998. The concept of environmental function and its valuation. Ecological Economics 25, 31-35.

———————————-

Engº Agrônomo, Pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Dr. Desenvolvimento, Espaço e Meio Ambiente e-mail: sergio.tosto@embrapa.br

2Engº Agrônomo, Pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, Dr. Planejamento e Gestão Ambiental, e-mail: lauro.pereira@embrapa.br

3Engº Agrônomo, Pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Dr. Desenvolvimento, Espaço e Meio Ambiente, e-mail: joao.mangabeira@embrapa.br

EcoDebate

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: