Publicado por: ferdesigner | 21/12/2012

Oficina de jornalismo ambiental discute a importância da conservação marinha

curso1.ecod.jpg

Oficina reuniu profissionais da mídia e técnicos para debater temática ambiental
Fotos: Clara Corrêa/Portal EcoD

Quando William Shakespeare explanou, no clássico Hamlet, que “há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia”, desconhecia grande parte dos problemas ambientais com o qual vivemos hoje. No entanto, o aforismo imortalizado pelo autor inglês pode muito bem ser aplicado para a complexidade que é o iceberg de informações sobre sustentabilidade do qual só é vista e divulgada a ponta.

Com o objetivo de dar as pistas sobre o que se esconde sob a superfície, técnicos e jornalistas da região Nordeste do Brasil se encontraram na oficina de jornalismo ambiental, realizada nos dias 4 e 5 de dezembro em Praia do Forte (BA), pela Rede Biomar.

curso3.ecod.jpg
Os jornalistas puderam conhecer de perto os projetos ambientais da região

Além das palestras, os convidados tiveram a oportunidade de conhecer in loco os animais do Projeto Tamar e alguns ainda puderam participar do nascimento dos filhotes de tartarugas e a ida deles para o mar.

Profissionais da rede, composta pelos projetos Baleia Jubarte, Tamar, Albatroz, Golfinho Rotador e Coral Vivo, demonstraram a importância da conservação do ambiente marinho brasileiro para evitar a redução ainda maior da biodiversidade. Além disso, palestras de pesquisadores e jornalistas enriqueceram a discussão sobre a necessidade de ampliar o debate na mídia sobre sustentabilidade.

“O encontro foi para todos nós uma grande oportunidade de fazer contatos e compartilhar experiências e conhecimentos acerca do ambiente marinho e dos esforços de conservação das espécies”, afirmou Márcia Engel, coordenadora do Projeto Baleia Jubarte. “É importante frisar que o ecossistema marinho é o menos protegido do Brasil e está entre os mais vulneráveis aos efeitos das mudanças climáticas globais”, frisou.

Mar profundo

A importância do ambiente marinho e a necessidade de políticas de conservação permeou a fala de praticamente todos os palestrantes da oficina. Para Mauro Maida, oceanólogo e pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), se há mais coisas entre o céu e a terra, muitas destas se encontram no ambiente marinho. “A gente não se importa com o que está embaixo d’água, simplesmente porque não vemos”, explicou.

curso5.ecod.jpg
Jornalistas e ambientalistas falaram sobre a importância da comunicação para a sustentabilidade

Gerente de biodiversidade aquática e recursos pesqueiros do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Mônica Peres destacou que apenas 10% do oceano foi estudado e, mesmo assim, das 100 milhões de espécies descritas em todo o planeta, cerca de 80% correspondem a espécies marinhas. A biodiversidade marinha, contudo, está concentrada ao longo da costa, com apenas 10% das espécies habitando águas mais profundas, o chamado “mar aberto”. Os palestrantes também destacaram que o mar é o verdadeiro “pulmão do mundo”, uma vez que o fitoplâncton marinho produz aproximadamente 70% do oxigênio da Terra.

A gente não vê a fauna marinha da mesma forma que os bichos terrestres. Não somos um país marinho”
Mauro Maida, oceanólogo

Embora possua importância fundamental, a nossa Amazônia Azul, segundo enfatizou Maida, é muito pouco protegida, com apenas 0,05% do território inseridos em unidades de conservação (UC). “A criação de UCs marinhas é a forma mais eficiente de garantir a produção pesqueira”, disse.

A pesca feita sem manejo adequado levou à superexploração de 76% das espécies marinhas. E não tinha como ser diferente: “A safra da pesca é feita bem no momento da reprodução”, ressaltou Mônica. Ela acredita que é possível conciliar conservação marinha e a produção pesqueira. “Eu acho que é possível e estamos avançando nessa área. (Mas) a velocidade do avanço não é compatível com a do retrocesso”, assinalou. “A gente não vê a fauna marinha da mesma forma que os bichos terrestres. Não somos um país marinho”, disparou Maida.

curso2.ecod.jpg
Profissionais de diversos veículos do Nordeste participaram da primeira edição da oficina

*O EcoD viajou para participar da Oficina à convite da Rede Biomar e foi representado pelas jornalistas Clara Corrêa e Raíza Tourinho.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: