Publicado por: ferdesigner | 21/12/2012

A camada de gelo na Antártida Ocidental está derretendo mais rápido do que o esperado

degelo

Degelo. Foto de arquivo

Novas observações publicadas [Persistent inflow of warm water onto the central Amundsen shelf] por oceanógrafos, da Universidade de Gotemburgo e dos EUA, podem melhorar nossa capacidade de prever futuras mudanças na massa camada de gelo. O estudo foi publicado recentemente na revista Nature Geoscience .

A redução das camadas de gelo na Antártica e na Groenlândia irá afetar os níveis de água dos oceanos do mundo.

É, portanto, problemático que atualmente não tenhamos conhecimento suficiente sobre a circulação do oceano perto das grandes geleiras no oeste da Antártida. Isso significa que os pesquisadores não podem prever, com razoável grau de certeza, como os níveis de água vai subirão no futuro.

“Há uma clara redução da massa de gelo na Antártida Ocidental, especialmente em torno das principais geleiras no Mar de Amundsen,” diz o pesquisador Lars Arneborg, do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Gotemburgo.

Junto com seus colegas de pesquisa Anna Wahlin, Göran Björk e Bengt Liljebladh, ele estudou a circulação oceânica no Mar de Amundsen.

Uma razão pela qual Antártida Ocidental é particularmente sensível é que a maior parte do gelo repousa sobre as áreas que se encontram abaixo do nível do mar. Água quente do mar penetra por baixo do gelo, causando derretimento crescente da parte de baixo. “Por conseguinte, é, provavelmente, de uma alteração da circulação oceânica no Mar Amundsen tenha provocado o aumento deste derretimento”, continua Arneborg.

Até agora, os pesquisadores tem realizado seus estudos utilizando modelos computacionais de alta resolução. “Mas tem havido muito poucas medições oceanográficas do Mar de Amundsen para confirmar ou contradizer os resultados dos modelos de computador. Nem a coleta de dados e observações no inverno, porque o gelo do mar e icebergs tornaram impossível chegar lá, e não é simples nem fácil instalar e manter equipamentos automáticos neste lugar durante todo o ano. ”

No entanto, desde 2010, os pesquisadores de Gotemburgo conseguiram manter instrumentos posicionados no Mar de Amundsen, o que lhes permite medir o fluxo interno de água quente do mar para as geleiras.

As observações mostram que a água quentedo mar flui para as geleiras de uma forma mais ou menos constante todo o ano, em contraste com os resultados dos modelos que sugerem um forte ciclo sazonal.

“Isso mostra o quão importante são as observações para investigar se os modelos que usamos para descrever algo realmente se assemelha a realidade. Correntes oceânicas quentes causaram um derretimento muito maior do que qualquer modelo previu, tanto na Antártida Ocidental quanto em torno da Groenlândia.

Os pesquisadores querem mais série históricas e mais tempo de observações oceanográficas, a fim de melhorar os modelos e alcançar uma melhor compreensão.

“Só assim seremos capazes de dizer algo sobre como as massas de gelo da Antártida e da Groenlândia vão mudar no futuro.”

Persistent inflow of warm water onto the central Amundsen shelf
L. Arneborg, A. K. Wåhlin, G. Björk, B. Liljebladh & A. H. Orsi
Nature Geoscience 5, 876–880 (2012) doi:10.1038/ngeo1644

EcoDebate, com informações de Lars Arneborg, Department of Earth Sciences, University of Gothenburg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: